Facebook

Teses e Dissertações


2022


Aluno:Otávio de Amaral Andrade Leão

Título: Influência da atividade física e do tempo de tela no desenvolvimento na primeira infância

E-mail:

Área de concentração:

Orientador:Andréa Dâmaso

Banca examinadora:Aluísio Barros, Inácio Crochemore e Mauro Virgilio Barros.

Data defesa:25/02/2022

Palavras-chave:Coorte 2004 Coorte 2015

LEÃO, Otávio Amaral de Andrade. INFLUÊNCIA DA ATIVIDADE FÍSICA E DO
TEMPO DE TELA NO DESENVOLVIMENTO NA PRIMEIRA INFÂNCIA. 257p.
Tese de Doutorado- Programa de pós-graduação em Epidemiologia,
Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, 2022.
A primeira infância é uma das principais fases do desenvolvimento
humano. Estimativas mundiais sugerem que cerca de 80 milhões de crianças em
idade pré-escolar não atingem metas básicas relacionadas ao seu
desenvolvimento. Considerando a influência de comportamentos relacionados ao
movimento sobre a saúde das crianças, alguns estudos indicam que atividade
física e o tempo de tela podem ser preditores importantes para o
desenvolvimento infantil. Assim, o objetivo desta tese foi avaliar a associação da
atividade física e o tempo de tela com neurodesenvolvimento de crianças aos 48
meses de idade.
Para responder aos objetivos da tese, diferentes métodos foram usados,
incluindo uma revisão sistemática e análise de dados secundários dos
participantes das Coortes de Nascimento de Pelotas de 2004 e 2015. Estes
estudos fazem parte das Coortes de Nascimentos de Pelotas, que são estudos
longitudinais que investigam desfechos de saúde usando uma abordagem de
ciclo vital nos indivíduos nascidos em Pelotas, Rio Grande do Sul, em 1982,
1993, 2004 e 2015.
Primeiramente foi realizada uma revisão sistemática na literatura sobre a
associação entre atividade física medida por acelerômetros e o
neurodesenvolvimento infantil. Essa revisão mostrou que a atividade física
parece influenciar positivamente o domínio motor. Entretanto, devido ao número
limitado de estudos, a evidência da associação para outros domínios, como
cognitivo, foi inconclusiva.
Além do estudo de revisão, dois artigos originais foram desenvolvidos
utilizando análises de dados secundários. O primeiro estudo investigou
associações longitudinais entre atividade física medida de forma objetiva e
neurodesenvolvimento infantil. Medidas de atividade física por acelerômetros
foram coletadas nas crianças da Coorte de 2015 aos 12, 24 e 48 meses de
idade. Análises de trajetórias e efeito cumulativo indicaram um padrão de doseresposta, indicando que crianças que praticaram mais atividade física ao longo
da primeira infância apresentaram maiores escores de neurodesenvolvimento
aos 4 anos.
Por fim, o terceiro estudo da tese teve como objetivo avaliar associação
transversal e longitudinal entre diferentes tipos de tempo de tela e
neurodesenvolvimento aos 4 anos. Esse artigo foi realizado com dados de duas
Coortes de Nascimentos de Pelotas, 2004 e 2015. Os resultados do estudo


Programa de Pós-Graduação em Epidemiologia - Centro de Pesquisas Epidemiológicas