Facebook

Teses e Dissertações


2017


Aluno:Romina Buffarini

Título: Epidemiologia da hemoglobina glicada (HbA1c) em duas coortes de nascimentos - Pelotas/RS

E-mail:

Área de concentração:

Orientador:Maria Cecília Formoso Assunção

Banca examinadora:Cesar Victora, Iná Santos e Maria Inês Schmidt.

Data defesa:08/03/2017

Palavras-chave:Coorte 1982 Coorte 1993

A hemoglobina glicada (HbA1c) √© o melhor marcador de controle glic√™mico em longo prazo em pacientes diab√©ticos e uma importante ferramenta na triagem e diagn√≥stico de diabetes na popula√ß√£o em geral. O teste de HbA1c oferece algumas vantagens em compara√ß√£o com outros indicadores glic√™micos: pode ser realizado a qualquer hora do dia, independentemente do tempo de jejum, e, √© relativamente barato. Em estudos epidemiol√≥gicos, a HbA1c foi associada com a incid√™ncia de diabetes e doen√ßas cardiovasculares (CVD) e com mortalidade por todas as causas em popula√ß√Ķes livres de doen√ßa. Portanto, a HbA1c pode ser utilizada para examinar o risco de doen√ßa associado √† hiperglicemia em popula√ß√Ķes saud√°veis. Esta tese teve por objetivo descrever a epidemiologia da HbA1c (distribui√ß√£o e fatores associados) e avaliar a associa√ß√£o de padr√Ķes de crescimento com a HbA1c e outros marcadores de risco cardiometab√≥lico em adolescentes e adultos jovens. Uma melhor compreens√£o dessas rela√ß√Ķes pode ajudar a identificar grupos da popula√ß√£o com maior risco de doen√ßas cardiometab√≥licas. A tese inclui tr√™s artigos. No primeiro, realizamos uma revis√£o sistem√°tica da literatura que avalia a rela√ß√£o entre crescimento (mudan√ßas de peso, altura ou √≠ndice de massa corporal (IMC) durante a inf√Ęncia, adolesc√™ncia e indicadores de metabolismo glic√™mico e da insulina na idade adulta (glicemia de jejum, glicemia de duas horas ap√≥s o teste de toler√Ęncia oral √† glicose, hiperglicemia, HOMA-IR). Foram identificadas algumas inconsist√™ncias nas defini√ß√Ķes de crescimento e nos intervalos de idade avaliados. A evid√™ncia mais consistente foi a rela√ß√£o entre ganho acelerado de peso ou IMC depois dos dois anos de vida e altera√ß√Ķes no metabolismo da glicemia e de insulina na idade adulta. No segundo artigo, descrevemos a distribui√ß√£o dos n√≠veis de HbA1c em indiv√≠duos em adolescentes e adultos (18 e 30 anos, respectivamente) participantes das coortes de nascimentos de Pelotas de 1993 e 1982, de acordo com fatores precoces e contempor√Ęneos. A distribui√ß√£o da HbA1c foi aproximadamente normal em ambas as coortes. Os n√≠veis m√©dios de HbA1c foram mais elevados nos indiv√≠duos com cor de pele preta/morena em compara√ß√£o com aqueles de pele branca em ambas as coortes. A hist√≥ria familiar de diabetes esteve associada com uma maior m√©dia de HbA1c em adultos, enquanto o baixo comprimento para idade no primeiro ano de vida apresentou uma rela√ß√£o inversa com o desfecho em adolescentes. Nenhum outro fator precoce e contempor√Ęneo foi associado aos n√≠veis de HbA1c em adultos ou adolescentes. No terceiro artigo, avaliamos a associa√ß√£o entre padr√Ķes de crescimento (crescimento linear e ganho de peso relativo) desde o nascimento at√© a adolesc√™ncia e marcadores de risco cardiometab√≥lico aos 18 anos, na Coorte de Nascimento de Pelotas de 1993. Os desfechos avaliados foram: glicemia ao acaso, HbA1c, prote√≠na C reativa, colesterol total, LDL-C, HDL-C, triglicer√≠deos, press√£o arterial sist√≥lica e diast√≥lica, IMC e circunfer√™ncia da cintura. O estudo mostrou que o ganho de peso acelerado, especialmente depois dos dois primeiros anos de vida, est√° positivamente associado a v√°rios marcadores de risco cardiometab√≥lico em adolescentes. Mais estudos s√£o necess√°rios para esclarecer a evid√™ncia sobre crescimento linear e fatores cardiometab√≥licos. Em geral, os nossos resultados sugerem que a preven√ß√£o do ganho de peso excessivo ap√≥s os dois primeiros anos pode ser importante na redu√ß√£o do risco cardiometab√≥lico na vida adulta.


Programa de Pós-Graduação em Epidemiologia - Centro de Pesquisas Epidemiológicas