Facebook

Teses e Dissertações


2017


Aluno:Grégore Iven MIelke

Título: Comportamento sedentário em adolescentes pertencentes à Coorte de Nascimentos de Pelotas, 1993: determinantes socioeconômicos e consequências para a saúde

E-mail:

Área de concentração:Epidemiologia

Orientador:Pedro Curi Hallal

Banca examinadora:Aluísio Barros, Daniel Umpierre e Felipe Reichert

Data defesa:16/03/2017

Palavras-chave:

O comportamento sedentário, definido por atividades na posição sentada e com baixo consumo energético, tem sido sugerido como um novo fator de risco para a saúde cardiovascular, independente da prática de atividades físicas. Entretanto, uma série de lacunas nesta área de conhecimento colocam em dúvida o quanto os efeitos negativos do comportamento sedentário são de fato ocasionados pelo excesso de tempo sentado e, o quanto tais efeitos são realmente independentes da prática de atividade física. Muito destas incertezas passam pela escassez de estudos prospectivos e provenientes de outros contextos socioeconômicos que não aqueles de países de renda alta. A Coorte de Nascimentos de 1993 oferece um importante espaço para estudar o comportamento sedentário tanto em termos de consequências para a saúde quanto em relação aos seus determinantes socioeconômicos, os quais também são importantes determinantes do estado de saúde ao longo da vida. A presente tese de doutorado investigou os determinantes socioeconômicos e as consequências para a saúde do comportamento sedentário em adolescentes. Um artigo de revisão sistemática e dois artigos originais com dados da Coorte de Nascimentos de 1993, Pelotas fazem parte da presente tese. No primeiro artigo foram investigados os determinantes socioeconômicos do comportamento sedentário por meio de uma revisão sistemática e meta-análise. Os achados deste revisão apontaram que indicadores socioeconômicos são importantes correlatos do comportamento sedentário em adolescentes, variando conforme os domínios do comportamento sedentário e, principalmente, renda do país onde o estudo foi desenvolvido. Em países de renda alta, menores indicadores socioeconômicos foram associados com mais tempo em comportamento sedentário, enquanto que em países de renda baixa e média o contrário foi verdadeiro. No segundo artigo, investigou-se a
associação entre indicadores de posição socioeconômica e o tempo despendido em diferentes formas de comportamento sedentário ao longo da adolescência. Para isso, foram utilizados dados da Coorte de 1993. Os achados sugerem que a posição socioeconômica no nascimento é um importante determinante do tempo de computador e tempo total sedentário aos 18 anos. No terceiro artigo, foi investigada a associação entre comportamento sedentário, prática de atividade física aos 11, 15 e 18 anos com desfechos metabólicos aos 18 anos entre os participantes da Coorte de 1993. Os resultados desse artigo sugerem que, de forma geral, o tempo em comportamento sedentário esteve associado a piores desfechos de saúde, especialmente entre aqueles participantes inativos. Em conclusão, tanto o estudo de revisão sistemática de literatura quando os resultados da Coorte de 1993 de Pelotas, mostram que as características socioeconômicas são um importante aspecto a ser considerado na elaboração de intervenções para diminuição do comportamento sedentário. Além do mais, comportamento sedentário é um fator de risco para a saúde cardiovascular apenas para adolescentes que não praticam atividade física.

Abstract

Sedentary behaviour, defined as activities with low energy expenditure, has been receiving a great deal of research attention in recent years, due to its negative effects on health, as well as its independence in relation to physical activity. However, the paucity of prospective data, especially from low and middle-income countries makes it difficult to evaluate whether sedentary behaviour is in fact a risk factor for cardiovascular health independent of physical activity levels. The 1993 Pelotas (Brazil) Birth Cohort provides an important opportunity to examine the relationships between sedentary behaviour and health outcomes and its socioeconomic determinants, which are important predictors of late health status. This doctoral thesis investigated the socioeconomic determinants and health consequences of sedentary behaviour in adolescents. A systematic review with meta-analysis and two original papers with data from the 1993 Pelotas Birth Cohort study are part of this thesis. In the first paper, the socioeconomic determinants of sedentary behaviour were investigated through a systematic review and meta-analysis. The findings of this review suggested that associations between socioeconomic position and sedentary behaviour are different in adolescents from high and low-middle income countries, and vary by domain of sedentary behaviour. In high-income countries, there was a strong and consistent inverse association between socioeconomic position and total screen time and television time. In contrast, in low-middle income countries, socioeconomic position was not associated with total screen or TV time, but there was a positive association between socioeconomic position and “other screen time” (ie video, computer games or study time, but not including TV time). In the second paper, the association between indicators of socioeconomic position and time spent in different domains of sedentary behaviour throughout adolescence was investigated. For this, data from the 1993 Pelotas Birth Cohort Study were analysed. The findings suggest that socioeconomicposition at birth is an important determinant of sedentary behaviour at age 18. In the third paper, associations between sedentary behaviour and physical activity at ages 11, 15 and 18 years with metabolic outcomes at 18 years were examined among participants of the 1993 Cohort. The results suggest that, in general, sedentary behaviour was associated with poor health outcomes, especially among inactive participants. In conclusion, both the systematic review and the findings from the 1993 Pelotas Birth Cohort study showed that socioeconomic characteristics are an important aspect to be considered when planning interventions to reduce sedentary behaviour in adolescents. In addition, sedentary behaviour is a risk factor for cardiovascular health only in adolescents who do not practice physical activity.


Programa de Pós-Graduação em Epidemiologia - Centro de Pesquisas Epidemiológicas