Facebook

Teses e Dissertações


2010


Aluno:Giovanna Laura Gatica Dominguez

Título: Perfil de consumo alimentar na primeira infância de indivíduos pertencentes à coorte de nascimentos de 2004 – Pelotas/RS

E-mail:

Área de concentração:Epidemiologia

Orientador:Aluísio J. D. Barros

Banca examinadora:Maria Teresa Anselmo Olinto - Universidade do Vale do Rio dos Sinos; Cora Luiza Pavin Araújo - UFPel

Data defesa:26/11/2010

Palavras-chave:Nutrição, primeira infância, epidemiologia

Na atualidade, há um enorme interesse sobre a alimentação e estilos de vida e seus efeitos devido ao aumento na ocorrência de obesidade e de doenças crônicas não transmissíveis. Com a intenção de conhecer a alimentação das crianças na primeira infância, a mestranda Giovanna Gatica, sob a orientação do Professor Aluísio Barros e co-orientação da doutoranda Samanta Madruga, realizou um estudo utilizando dados da coorte de Pelotas de 2004 sobre o consumom alimentar das crianças, obtido aos 12, 24 e 48 meses de idade, para identificar diferentes grupos de alimentos que melhor descrevem a alimentação dessas crianças. As práticas mais comuns de alimentação infantil encontradas foram baseadas em alimentos saudáveis como leites, lanches à base de pão, bolachas, frutas, sucos, chás, assim como a preferência por arroz, feijão e massa como base alimentar. Também conjuntos de alimentos não saudáveis como refrigerante, doces, chocolate e chips. A partir dos resultados do estudo foi possível identificar a transição desde o aleitamento materno, a introdução de alimentos até atingir à alimentação da família no período entre 12 e 48 meses. Além disso, entre as crianças com 4 anos de idade apareceu um grupo de alimentos composto por doces, chocolates e chips que foi mais consumido pelas crianças filhas de mães jovens, de baixa renda e escolaridade, que eram cuidadas em casa e que tiveram uma introdução de alimentos sólidos antes dos 3 meses de idade. Os refrigerantes também foram mais consumidos por crianças cuidadas em casa e que eram filhas de mães de baixa renda e escolaridade. Neste estudo também foi observado que crianças cuidadas fora de casa, como por exemplo escolas de educação infantil, consumiram alimentos mais saudáveis. Apesar de ser uma fase de reconhecida “monotonia” alimentar, encontraram-se neste estudo diferenças marcantes entre grupos sociais desde o início da vida, sendo em geral, os alimentos menos saudáveis mais consumidos pelas crianças mais pobres. Portanto, os resultados desta pesquisa mostraram que desde muito cedo os perfis alimentares estão associados a características sociais e comportamentais. Desde o inicio da vida, a família, e principalmente a mãe, influenciam na construção das preferências alimentares dos filhos. Por essa razão, desde muito cedo é necessária a promoção de estilo de vida e alimentação saudáveis focado em aleitamento materno exclusivo pelo menos por 6 meses e a escolha de alimentos saudáveis desde o começo da alimentação complementar. Assim deve-se evitar a introdução de alimentos sólidos precocemente na alimentação das crianças, principalmente pelo preocupante aumento da obesidade infantil. Sugere-se que os serviços de saúde contribuam de forma importante na divulgação dessas orientações, com o objetivo de se ter crianças, e consequentemente adolescentes e adultos mais saudáveis.


Programa de Pós-Graduação em Epidemiologia - Centro de Pesquisas Epidemiológicas