Facebook

Teses e Dissertações


2000


Aluno:Marcelo Castanheira Ferreira

Título: Adiposidade abdominal da população adulta de Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil

E-mail:

Área de concentração:

Orientador:Maria Teresa Olinto

Banca examinadora:Cora Post, Stela Meneghel e Inês Rugani de Castro

Data defesa:20/12/2000

Palavras-chave:Antropometria. Gordura abdominal. Obesidade central. Fatores de risco.

Resumo dos Artigos:

RESUMOObjetivoAvaliar a distribuição do perímetro abdominal na população adulta de Pelotas, RS, Brasil, e verificar o efeito de variáveis sociodemográficas, reprodutivas e comportamentais sobre esta distribuição.MétodosAtravés de um delineamento transversal foram entrevistados e medidos 3736 adultos de 20 anos ou mais (2122 mulheres), residentes na zona urbana de Pelotas, RS. Utilizou-se amostragem sistemática por conglomerados, em múltiplos estágios. O perímetro abdominal foi aferido no ponto de maior dilatação do abdômen. Para comparação das médias entre grupos foi empregada análise de variância, enquanto regressão linear múltipla foi utilizada para controle de confundimento. ResultadosObservou-se que as médias de perímetro foram significativamente maiores (p<0,001) para homens acima de 40 anos, de cor branca, vivendo com companheira, com alta renda familiar. As mulheres que apresentaram maiores médias (p<0,001) foram aquelas acima de 40 anos, com 4 ou mais gestações, que viviam com companheiro e possuíam baixo nível de escolaridade. Tabagismo foi o único fator comportamental associado ao desfecho, sendo maior risco para ex-fumantes, tanto do sexo masculino (p<0,05) quanto feminino (p<0,01), enquanto consumo de bebida alcoólica e prática de exercícios físicos perderam significância na análise multivariada. ConclusõesO estudo explorou algumas diferenças nos efeitos dos fatores sobre a concentração de gordura abdominal em homens e mulheres. Entre os principais achados, verificou-se que mulheres mais pobres, também as mais sedentárias, foram as mais afetadas. Tendo em vista o papel biológico da idade e da gestação sobre o acúmulo de gordura, especial atenção deve ser dada às mulheres em idade reprodutiva no que se refere ao monitoramento nutricional e o planejamento em saúde visando prevenir a obesidade abdominal nesta população.

Descritores: Antropometria. Gordura abdominal. Obesidade central. Fatores de risco. ABSTRACTObjectivesTo describe the distribution of abdominal circumference in the adult population in the urban area of Pelotas, a southern Brasilian city, as well as to assess the influence of independents factors on this distribution.MethodsIn a cross-sectional, population-based, multistage systematic sampling study, 3736 adults aged 20 years or more (2122 women) were selected, interviewed and measured their widest abdominal circumference. Means were compared using one-way ANOVA, while multiple linear regression models were employed to adjustments for confounding factors.ResultsThe study showed that men who were in older groups, whites, married and with high familiar income were more likely to have highest circumferences means (p<0,001). In women, the groups at risk were the older, mothers with 4 or more pregnancies, married and lower education level (p<0,001). Ex-smokers had highest means of abdominal circumference in men (p<0,05) and women (p<0,01), while other lifestyle factors such alcohol consumption and physical activity had no association with the outcome.ConclusionsThe different effects of the independents factors was explored by sex in present study. It showed that women with lower familiar income (more physically inactive as well) had higher concentration of abdominal fat, and the biological influence of age and pregnancy increased these risk. Therefore, especial attention must be dedicated to nutritional monitoring and health planning for the prevention of the central obesity in this population group.

Keywords: Anthropometry. Abdominal fat. Central obesity. PredictorsAvaliação da gordura abdominal em adultos ao Sul do Brasil: comparação entre dois índices antropométricos.Marcelo Castanheira1, Maria Teresa A. Olinto2, Denise P. Gigante3 (1)Escola de Nutrição da Universidade do Rio de Janeiro (2) Faculdade de Nutrição da Universidade do Vale dos Sinos (3) Departamento de Nutrição da Universidade Federal de PelotasRESUMOObjetivo Estudar a correlação entre o perímetro de cintura (PC) e abdominal (PA) em indivíduos adultos, bem como comparar a distribuição das duas medidas segundo variáveis sociodemográficas, reprodutivas e comportamentais.MetodologiaA pesquisa foi realizada a partir de uma sub-amostra de 99 adultos, de 20 anos ou mais, residentes na zona urbana de Pelotas, RS, os quais fizeram parte de um estudo maior de base populacional. Foram aferidos os perímetro de cintura (PC) e abdominal (PA), nos pontos de menor e maior circunferência da região abdominal, respectivamente. As variáveis independentes foram previamente coletadas através de um questionário padronizado que incluiu fatores sociodemográficos, de história reprodutiva e comportamentais. Utilizou-se o coeficiente de Spearman (rs) para verificar o grau de correlação entre as duas medidas e análise de variância (ANOVA) para comparação das médias entre grupos, com nível de significância de 95%.ResultadosObservou-se alto grau de correlação entre PC e PA em homens (rs = 0,96; p<0,001) e mulheres (rs = 0,88; p<0,001). Quanto a distribuição das medidas, segundo os fatores de risco, verificou-se que as médias de PC diferiram significativamente (p<0,01) entre os sexos, o que não ocorreu para PA. A idade esteve linear e positivamente associada com ambas as medidas (p<0,001), enquanto cor da pele e escolaridade apresentaram associação significativa com perímetro abdominal, mas não com a cintura. O número de gestações esteve fortemente relacionado a ambos os perímetros, assim como o Índice de Massa Corporal. Nenhum dos fatores comportamentais se associou significativamente ao perímetro de cintura ou abdominal, embora o efeito da prática de exercícios físicos sobre a distribuição de ambos as medidas tenha sido limítrofe (p=0,06).ConclusõesAtravés do presente estudo foi possível verificar algumas diferenças na distribuição de cada perímetro frente às variáveis explanatórias, o que deverá ser levado em conta ao se comparar estudos que avaliem a gordura abdominal através de diferentes técnicas de aferição do perímetro do abdômen.


Programa de Pós-Graduação em Epidemiologia - Centro de Pesquisas Epidemiológicas