Facebook

Teses e Dissertações


2004


Aluno:Celene Maria Longo da Silva

Título: Síndrome pré-menstrual: prevalência e fatores associados na população urbana de Pelotas

E-mail:celene.longo@brturbo.com

Área de concentração:Saúde e Nutrição do Adulto

Orientador:Denise Gigante

Banca examinadora:Maria Cecília Assunção e Karen Oppermann Lisboa

Data defesa:26/11/2004

Palavras-chave:Síndrome Pré-Menstrual , Prevalência , Fatores Associados

Resumo dos Artigos:

Estudo populacional de prevalência da Síndrome Pré-menstrual em uma cidade brasileiraPopulation study of prevalence of Premenstrual syndrome in a Brazilian city

Objetivo: Estudar a prevalência e fatores associados à Síndrome Pré-menstrual(SPM) e comparar a prevalência da SPM encontrada com a prevalência da SPM auto-referida.

Métodos: Em um estudo transversal, de base populacional, com mulheres de 15 a 49 anos, questionários domiciliares foram aplicados para medir a prevalência de SPM através de um escore, construído a partir de cinco sintomas pré-menstruais que interferiam na vida familiar ou levavam à falta ao trabalho ou a escola. Associações entre alguns fatores socioeconômicos, demográficos e comportamentais e SPM foram estudados. SPM auto referida foi investigada e considerando o escore de SPM como padrão ouro, sua sensibilidade e especificidade foram testadas.

Resultados: A prevalência de SPM foi de 25,2% (IC 95% 22,5; 27,9) e de SPM auto-referida 60,3% (IC 95% 57,4; 63,3). Os principais sintomas pré-menstruais foram: irritabilidade, desconforto abdominal, nervosismo, cefaléia, cansaço e mastalgia, todos acima de 50 % de prevalência. Mulheres de melhor nível econômico, maior escolaridade, menores de 30 anos e com pele branca apresentaram risco mais elevado. As usuárias de psicofármacos e as que não usavam anticoncepção hormonal apresentaram maior prevalência. A sensibilidade do teste foi de 94%, a especificidade 51% e a acurácia 62%.

Conclusões: Foi alta a prevalência de SPM em Pelotas e, embora a percepção das mulheres seja maior do que aquela medida com o escore, ainda assim, um quarto das mulheres apresenta esse problema de saúde.

Descritores: Síndrome Pré-Menstrual, Prevalência, Sintomas pré-menstruais, Fatores de Risco, Inquéritos.

Objective: To study the prevalence and associated factors of the Pre MenstrualSyndrome (PMS), by characterizing its most common symptoms, and compare the prevalence with self-reported PMS.

Methods: In a cross-sectional population-based study, including women aged 15 to 49 years old, questionnaires were applied at home to measure PMS prevalence, through a score based on five premenstrual symptoms that interfered in family life or that led to work or school absence. The association between some socioeconomic, demographic and behavioral variables and PMS were investigated. Self-reported PMS was investigated and taking into account PMS score as the gold standard, the sensitivity and specificity of the selfreported PMS were tested.

Results: The prevalence of PMS was of 25.2% (CI 95% 22,5; 27,9) and of the self-reported PMS was of 60.3% (CI 95% 57,4; 63,3). The main symptoms found were: irritability, stomachache, nervousness, headache, fatigue and mastalgia, all of them with more than 50% of prevalence. Women with white skin, higher economic level, better education level and younger than 30 years old presented greater risk of PMS. Psychotropic drugs users, and women who were not in use hormonal contraceptive presented a higher prevalence of PMS.The self-reported PMS sensitivity was of 94%, the specificity was of 51% andthe accuracy of 62%.

Conclusions: Although self-reported PMS was higher than those measured bythe symptoms score, about one quarter of women presented PMS based on fivepremenstrual symptoms and repercussions in women’s daily life.

Keywords: Premenstrual Syndrome, Prevalence, Risk Factors, PremenstrualSymptoms, Cross-sectional.


Programa de Pós-Graduação em Epidemiologia - Centro de Pesquisas Epidemiológicas