Facebook

Sala de Imprensa

23/02/2021

Defesa de dissertação

Título: Prevalência e utilização de benzodiazepínicos em adultos na zona urbana de Pelotas/RS

Banca: Beatriz Tavares e Mariângela Silveira

Orientador: Ana Baptista

 

NOTA À IMPRENSA

Estudo mostra que cerca de dois milhões de idosos brasileiros consomem calmantes e soníferos

Pesquisa inédita sobre o uso de medicamentos no Brasil mostra que 1 em cada 11 idosos toma algum remédio do grupo dos benzodiazepínicos, medicamentos que devem ser evitados em idosos pelo alto risco de efeitos colaterais

Estes são alguns dos resultados obtidos pela mestranda Marina de Borba Oliveira Freire, do Programa de Pós-graduação em Epidemiologia da UFPel, sob orientação da Dra. Ana Maria Baptista Menezes e coorientação da Dra. Bruna Gonçalves Cordeiro da Silva e da Dra. Andrea Dâmaso. O estudo foi realizado a partir de dados da Pesquisa de Acesso, Utilização e Promoção do Uso Racional de Medicamentos no Brasil (PNAUM), realizada entre 2013 e 2014 em todos os estados e no Distrito Federal. No total, o levantamento entrevistou 9 mil idosos em 245 munícipios do país. “O principal objetivo de nosso estudo foi estimar o número de idosos que consomem benzodiazepínicos e conhecer melhor suas características”, diz a mestranda Marina. Os benzodiazepínicos são um grupo de medicamentos utilizado para o tratamento da insônia e ansiedade, entre os quais se destacam os conhecidos Clonazepam (Rivotril) e Diazepam (Valium). Embora amplamente utilizados, esses medicamentos podem causar efeitos colaterais graves, como diminuição da cognição e mobilidade, quedas e fraturas em idosos, e dependência, e por isso não devem ser utilizados em idosos. “Apesar das recomendações contrárias ao uso, nosso estudo mostra que o número de idosos que tomam esses medicamentos é alto, especialmente entre mulheres e pessoas com diagnóstico de depressão, quando o risco de tomar o medicamento aumenta em duas e cinco vezes, respectivamente”, diz a mestranda.


Online - DATA:23/02/2021 - HORA:14:00hs

Apresentador: Marina de Borba Oliveira





Voltar

Veja Também


Programa de Pós-Graduação em Epidemiologia - Centro de Pesquisas Epidemiológicas