Facebook

Sala de Imprensa

10/04/2019

Defesa de tese: Suplementação de vitaminas e sais de ferro na gestação: associação com diabetes gestacional

Título: Suplementação de vitaminas e sais de ferro na gestação: associação com diabetes gestacional 

 Banca: Noemia Urruth Leão Tavares, Iná Santos e Maria Cecília Assunção

Orientador: Andrea Dâmaso

Local: Auditório Kurt Kloetzel

Data:12/04/2019

Hora:14h 

Apresentador: Vanessa Miranda

 

 

Suplementação com ácido fólico em gestantes é menor entre as mulheres com piores condições financeiras

 

Estudo realizado pelo Programa de Pós-graduação em Epidemiologia (UFPel) revela que as mulheres mais pobres utilizam menos ácido fólico que aquelas com melhores condições financeiras. Os resultados fazem parte da tese de doutorado da farmacêutica e mestre em epidemiologia Vanessa Iribarrem Avena Miranda, orientada pela professora Andréa Homsi Dâmaso e co-orientada pelas professoras Marysabel Pinto Telis Silveira e Tatiane da Silva Dal Pizzol, que teve como tema “Suplementação de vitaminas e minerais em gestantes e Diabetes Mellitus Gestacional”.

O estudo foi conduzido com os dados de todas as mães (n=4270) participantes da Coorte de Nascimentos de 2015, e revelou que 30% das mulheres não utilizaram ácido fólico e suplementos de ferro durante a gestação, sendo que as mais pobres, geralmente em maior vulnerabilidade social, foram as que utilizaram menos ácido fólico, apontando desigualdade socioeconômica a favor das mais ricas. Já no caso do ferro, ocorre o contrário, ele foi mais utilizado pelas mais pobres, que geralmente estão em maior risco de deficiências nutricionais, demonstrando assim o alcance desta importante política de saúde pública tem adquirido. Neste mesmo estudo foi investigada a possível associação do uso de suplementos de ferro de rotina, em gestantes sem anemia, com o aumento do risco de desenvolver diabetes mellitus gestacional, porém não foi encontrada associação.

A pesquisadora salienta que os benefícios da suplementação de ferro e ácido fólico durante o pré-natal são bem conhecidos. O uso de ferro de rotina previne a anemia e o ácido fólico atua na prevenção de defeitos no tubo neural. Portanto, o Ministério da Saúde, através do Programa Nacional de Suplementação de Ferro (PNSF), recomenda a suplementação diária oral de ferro e ácido fólico como parte da assistência pré-natal, com o objetivo de reduzir as deficiências desses micronutrientes. A suplementação medicamentosa de ferro e de ácido fólico deve durar toda a gestação e deve ser iniciada o quanto antes possível, independentemente do tempo de gravidez. Cabe salientarque estes compostos estão disponíveis gratuitamente nas farmácias das Unidades Básicas de Saúde em Pelotas e em todos os municípios do Brasil. 




Fonte: PPGE





Voltar

Veja Também


Programa de Pós-Graduação em Epidemiologia - Centro de Pesquisas Epidemiológicas